terça-feira, maio 29, 2012

Dois anos: inventariando a genética!

Hoje faz dois anos que meu pai voltou ao eterno!

Fiquei com vontade de chorar de saudade, como quase toda vez que lembro dele... Mas, resolvi fazer diferente desta vez.

Desta vez decidi fazer um levantamento do que ele me deixou.

Quase todos os seus objetos pessoais foram perdidos na cheia que inundou Palmares em abril de 2010.

Assim, além da velha bengala que ele deixou em meu carro quando foi ao hospital pela última vez, qual terá sido seu espólio para mim?

Sem dúvida nenhuma o bom humor e o sorriso sempre na face.

Também o que tenho de simpática, devo a ele. A parte antipática nem falo, porque minha mãe poderia me passar um 'pedala robinho' fácil, fácil...

Gostaria de ter herdado seus olhos verdes, mas isso ficou com Cristina.

Mas eu herdei sua 'cor de canela'! Seu gosto pela música de fossa, seu paladar para uma cerveja gelada e seu interesse por uma mesa de bar e uma conversa mole ...

Também foi através dele que adquiri o gosto por ler! Mamãe me ensinou o valor do estudo, mas ele sempre gostou de ler romances, jornais, revistas, rótulo de margarina... qualquer coisa que tivesse um texto! Assim também sou eu!

Meu pai sempre foi um homem carinhoso. Sempre foi divertido e brincalhão. Gostava de cantar, olhando a lua e tomando uma cervejinha.

Meu pai também era manhoso, sorridente e chorão.

Esse é meu pai! 

Esse é um pedaço de mim!

Essa sou eu!


 

sábado, janeiro 21, 2012

Nós somos pessoas inteligentes sim! ou O poder do coletivo com os memes ou Luíza já voltou pessoal!



Você sabe o que são ‘memes’?
Pois é eles são uma febre nas redes sociais. Nesta semana um ‘meme’ tomou conta das redes sociais no Brasil inteiro e, então, muita gente andou comentando, criticando a favor ou contra o fato das pessoas ‘perderem’ tempo se divertindo com algo tão inútil (não pra Luíza, claro, que estava curtindo no Canadá... ou melhor... estudando...). Tem duas questões que eu gostaria de discutir sobre isso.
Primeiro: O fato é que nós ainda não compreendemos como somos poderosos na mídia, atualmente, com o fenômeno da Web 2.0 ou 3.0. Não percebemos e vamos usando este poder para fazer de coisas cotidianas, coisas fúteis (como o meme da Luíza); de fazer acontecimentos cruéis e desumanos, coisas sensacionalistas (como o meme da enfermeira que assassinou o cãozinho); e de fazer das redes um espaço de discussão e denúncia (aumento das passagens em Recife, aumento dos salários dos deputados, divulgação de desaparecimento de pessoas, divulgação e procura por informações sobre doenças, etc.). Ou seja, as redes nos proporcionam o poder de publicizar, divulgar, informar, influenciar a opinião pública e, até, ‘forjar’ a opinião pública. Será que é por isso que a mídia está tão preocupada a ponto de nos chamar de ‘burros’ por estarmos nos informando (entre nós mesmos) e nos divertindo sem precisar dela?
Segundo: esse comentário me leva à minha segunda questão. Porque somos menos inteligentes quando estamos nos divertindo? O meme da Luíza foi um meme sem pornografia, violência ou sensacionalismo. E nos divertimos a valer. Tá vendo dona Mídia? Nós nos divertimos com coisas simples. Mas... foi o coletivo quem criou a diversão... Então a mídia está com dor de cotovelo?
Conclusão: Estamos ficando cada vez mais poderosos com as possibilidades que as redes nos proporcionam. Não é à toa que os EUA estão batendo pesado nos sites de compartilhamento. Tudo bem... há uma discussão muito complexa aí entre compartilhamento e pirataria virtual... Mas, voltando ao nosso assunto... Podemos sim, usar as redes ao nosso favor para fazer coisas que a mídia não faz por nós como, por exemplo, ver as diversas versões dos acontecimentos, divulgar nossa opinião e conhecer a de outras milhares, milhões de pessoas... Podemos nos divertir com isso? Claro que sim! Nem por isso seremos menos inteligentes! Divertimento e crítica não são antagônicos!